08 abril 2016

Correr

Correr!
Sim, eu aos 35 anos comecei a correr.
É incrível como as coisas acontecem na nossa vida, e como nós alteramos.
Há uns anos atrás detestava correr.
Quando era gaiata nem gostava de jogar à apanhada para que não tivesse de andar a correr, até porque era sempre a 1ª a ser apanhada, e depois não conseguia apanhar os outros.
Quando jogávamos às escondidas, escondia-me sempre o mais perto possível de quem estava a contar, para que não tivesse muito que correr. Lembro-me muito bem disto.
Saltava à corda, jogava badminton, jogava ao avião, andava de bicicleta, e até fazia corridas com a mesma, mas correr não por favor.
Chegou a altura da disciplina de Educação Física no 5º ano, porque na Primária estive safa disso, e lá comecei a ter a nota mínima a esta disciplina. Nunca tive negativa, mas era sempre pela positiva mais baixa.
Tive uns pais que nunca me permitiram ir ao médico pedir atestado para não fazer Educação Física, e também não mandavam recados de dispensa, então lá me fui arrastando nas aulas.
Tive vários conflitos com os professores ao longo dos anos, não me lembro bem porquê, mas de certo que por eu ser preguiçosa.
No 11º ano o professor bem que lutou, e lembro-me de um dia ele me ter dito “Ainda te hei-de pôr a correr.”.
Os anos passaram, e esse mesmo professor foi um dia dar-me a aula de natação nas Piscinas Municipais, qual não é o meu espanto quando ao fim de meia dúzia de piscinas o professor me diz: “se eu soubesse tinha-te metido dentro de água!!!”, bastante estupefacto.
Paulo, aí percebi que lhe tinha dado cabo da cabeça, pois mais de 10 anos depois, mais de muitos alunos, ainda estava a remoer a minha “preguicite” nas suas aulas J!
E ainda fim de mais uns anitos, vê-me em Trail’s e a correr feita maluca. Realmente, se “levasse com um gato morto até que ele miasse” é que eu ganhava, pois ganhar condição física aos 16/17 anos não é a mesma coisa que aos 35. E tinha ganho uma resistência muito superior à que irei ganhar.
Mas tenho a dizer que mais vale tarde do que nunca, e espero que não perca a vontade de me continuar a mexer, pois o organismo precisa mesmo de actividade física para combater as 8h/9h sentada numa cadeira à frente de um pc.
Nunca irei ser a vencedora dos eventos a que irei, pois não vou para lá para pôr em causa a minha saúde, mas sim, com vista a melhorá-la. Mas esforçar-me-ei de forma a ir melhorando um pouco a cada dia, também de forma que me melhor a auto-estima, que na maioria das vezes reside no fundo do poço.


1 comentário:

Rosa. disse...

Muito bem,também gostava de correr,mas já vou tarde,mas você é uma jovem... e linda,continue sempre a fazer o que é melhor para a saúde e que a deixe feliz.