30 maio 2015

Recordações e caminhos

Efectivamente, há dias para recordar. Que são marcas importantes nas nossas vidas.
Muitas vezes esses dias têm momentos bastante agradáveis, e momentos que não são agradáveis, mas que são necessários na construção do caminho da vida.

Toda a estrada tem rectas sem trânsito que nos permitem ir à nossa velocidade sem que tenhamos de diminuir a velocidade à custa dos outros, como têm curvas que as conseguimos contornar de uma forma que nos sabe bem e que nos dá adrenalina. Mas também existem rectas com carros a uma velocidade bastante mais baixa daquela em que queremos andar.

A nossa vida é uma estrada, em que andamos à velocidade que pretendemos quando os que nos rodeiam assim permitem, mas que por vezes esses que nos rodeiam e de quem gostamos muito "obrigam-nos" a abrandar, e talvez, a voltar atrás porque também querem andar nessa estrada com igualdade de conhecimento.

Não podemos exigir que o outro já conheça todas as curvas e todos os buracos se ainda nunca passou nessa estrada. Logo, se não conhecem é mais difícil de percorrer o caminho conforme os que conhecem.

Esses que se atravessam no nosso caminho, também têm o caminho deles, e os seus medos que vêm do caminho anterior.

Mas ainda assim estão dispostos a desbravar um novo caminho. 

Se se exige compreensão, também se tem de dar. Mesmo quando isso exige que o outro já tenha entrado no campo que para nós é intransponível. 


E por aqui fico!

1 comentário:

Anónimo disse...

O mais importante é respeitar a liberdade e ajudar o caminho de todos para que todos o possamos trilhar!
Só assim conseguimos com que o caminho das nossas vidas chegue ao destino pretendido em segurança e concluído!