09 novembro 2014

Convite!

Há convites que aceitamos porque achamos que não devemos dizer novamente "Não" ao outro, mas que em pouco tempo vimos a descobrir que o convite somente surgiu porque havia um bilhete a mais... porque a companhia que se desejava não era esta, mas sim outra que simplesmente à última hora desistiu de ir. 
Ficasse triste porque se aceitou o convite... e depois ainda surge uma conversa em que se dá como desculpa o facto de se esquecer sempre as mesmas pessoas, só porque sim. E que há pessoas que nunca se preocupam ou nunca se mostram magoadas por serem esquecidas. 
Será que é assim?
Pois, mas há um diferente perspectiva do outro lado. 
Essa perspectiva que só se vê se quiser. 
Se não se quiser, somente se vê que é o outro que está mal. Que o mal é dentro do outro.
Há "não's" que surgem quando não apetece mais.
Há afastamentos que surgem quando não se tem força para se assistir.
Digo o que sinto e o que me apetece. Vejo do outro lado. 
E era bom que em algum momento se mudasse de posição. Que se sentasse na cadeira onde o outro assiste a tudo, quando por vezes nem assiste porque tem uma parede à frente.

Senti-me a mais, somente mais uma vez. 
Senti que teria sido a opção de escape, somente mais uma vez.
Porque a minha presença, a minha "rebeldez" não é desejada. Porque eu não respondo com a resposta que se deseja ouvir. Porque eu digo o que não se deseja ouvir.

1 comentário:

Rosa disse...

Erute
Eis-me aqui mais uma vez depois de uma ausência grande ,mas nunca esqueci o seu blog,a sua simplicidade e frontalidade.
Gostei muito deste desabafo "Convite"
na verdade quando o convite não é feito e aceite do fundo do coração,não vale a pena,estava mais feliz e realizada noutro sítio,até mais simples,sabe que a frontalidade a sinceridade não agrada a todos ,mas não faz mal, importa é a coerência da nossa vida,entre o que se faz e diz,nunca mude para agradar,beijinho.